Roma e sua arquitetura fascinante

A Itália é um país europeu, localizado no sul do continente. O território italiano é banhado pelo mar Mediterrâneo e possui uma população estimada em 59,8 milhões de habitantes. A capital da Itália é Roma, o destino mais procurado no país.

13
A obra arquitetônica barroca Fontana di Trevi com a escultura de Nettuno ao centro. (Roma, Itália)

A Itália é um país desenvolvido e ocupa um lugar de destaque no cenário mundial, porque apresenta um dos maiores PIBs do planeta e integra as principais organizações internacionais, como o G-8, OMC e OTAN.

Dentro do território italiano há uma diferença econômica grande, explicada pelo fato do Norte do país ser desenvolvido industrialmente e o sul ser bastante agrícola. Uma atividade de grande destaque na economia é o turismo que recebe cerca de 37 milhões de turistas por ano. A principal religião do país é o catolicismo romano, mas são praticadas outras como protestantismo, judaísmo, budismo, hinduísmo e catolicismo ordoxo.

Como chegar:

Saindo do Brasil, há duas formas de chegar na Itália, ou de avião ou de navio. As viagens de navio são mais restritas, porém existem várias companhias aéreas que operam o trecho Brasil – Itália e a maioria dos voos sai de Guarulhos, em São Paulo.

Algumas das empresas que oferecem esse transporte, na maioria com escala, são: Lufthansa, British Airways, Iberia, TAP, Alitália, KLM, American Airlines e TAM. Para quem tem receio de viajar com uma companhia aérea em que a equipe de bordo não fala português, a TAM possui um voo diário para a Itália, sempre com destino a Milão e com a equipe de bordo falando em português.

Em geral, os voos do Brasil acontecem no período noturno e possuem uma duração aproximada de 12 horas.

Quando ir:

Todas as épocas são perfeitas para conhecer a Itália, seja no clima mais quente ou nos meses frios de inverno. A escolha do período da viagem deve ser feita de acordo com o destino e propósito da viagem. Se você deseja conhecer as cidades litorâneas, o melhor é viajar no verão, mas se quiser aproveitar os cenários brancos de neve, certamente a melhor época será no inverno.

A primavera e o verão acontecem de maio a setembro e são os períodos mais procurados pelos turistas por conta do clima agradável. No mês de maio não tem mais o frio rigoroso do inverno e os dias ficam ensolarados, com menos chances de chuva. Em julho e agosto são as férias locais, os italianos saem às estradas e por isso, os preços são muito mais elevados e os destinos muito mais cheios.

O outono começa em outubro trazendo temperaturas mais baixas em todo o país e a época mais chuvosa do ano. O frio rigoroso chega de verdade em dezembro e janeiro, quando o mais adequado no norte do país é fazer programas em lugares fechados (museus, palácios, restaurantes) e claro, para esquiar na neve. No sul, as temperaturas são amenas, mas os passeios não combinam tanto por serem locais litorâneos.

Estivemos em Roma no período de dezembro. Alguns dias choveram e outros fizeram sol, sempre acompanhado de muito frio. Se viajar neste período, não esqueça de incluir na sua mala roupas quentes e de preferência utiliza a técnica das três camadas. (segunda pele, fleece e casaco)

Moeda do país:

A moeda corrente na Itália, assim como em 17 dos 27 países da União Europeia é o euro. Uma das maiores dúvidas de quem está com a viagem programada para Itália é qual moeda levar. Os meios de pagamentos aceitos em todo o país são euros, dólares, cartão de crédito, cartão de débito e cartão pré-pago. Para verificar a cotação do euro hoje clique aqui.

É interessante que você leve do Brasil pelo menos dólares ou euros que sejam suficientes para não passar nenhum aperto quando chegar lá, como pagamento de táxi. Quando chegar no país e quiser sacar mais euros poderá ser feito no cartão de débito ou de crédito.

Se escolher crédito, pagará o saque quando receber sua fatura, mas não esqueça da taxa de saque, IOF de 6,38%. A cotação será do dia de fechamento da sua fatura. Se escolher sacar no débito, você pagará na hora, pois o dinheiro sairá imediatamente da sua conta, mas a taxa de saque e o IOF também é de 6,38%. Na maioria das vezes a cotação dos cartões é melhor que das casas de câmbios e alguns bancos não cobram taxa de saque.

Se optou por levar dólares americanos, sugerimos que troque todos de uma vez em casas de câmbio, pois apesar da moeda ser aceita mundialmente, alguns lugares podem não aceitar.

Nossa dica é que leve pelo menos 500 euros e use o cartão de débito/crédito para realizar um saque em euro caso seja necessário. Compras mais altas podem ser feitas no cartão de crédito ou pré-pago, para não precisar andar com muito dinheiro.

Vale lembrar:

Para visitar a Itália a turismo em até 90 dias, você precisará apenas do passaporte com validade de 6 meses ao contar a data do embarque. Caso, sua intenção seja ficar mais que 3 meses em território italiano, é necessário o visto. Se houver uma extensão do período permitido por lei, você deverá apresentar-se às autoridades italianas e justificar o motivo. A decisão para a prorrogação, chamada por eles de Questura, será feita a critério das autoridades italianas e não deverá ser considerada como garantida a sua autorização.

Viagens de trem:

Viagens de trem é uma boa opção para quem deseja conhecer a Itália. O site para comprar as passagem é esse aqui.

Existem três tipo de trens:

  • Regionale: Esse é o mais barato. Ele faz muitas paradas em estacoes pequenas e demora mais que os outros. É bom para quem quer ir para cidadezinhas. O bilhete não tem data marcada e deve ser timbrado antes de entrar no trem.
  • Intercity: Tem um preço médio e para apenas nas principais cidades. Há uma versão Intercity Plus em que você só viaja com lugar marcado.
  • Eurostar Itália Alta Velocitá: Esse trem é o mais rápido e mais caro. Ele para em pouquíssimas cidades, são bem confortáveis e você pode ligar o seu notebook e até mesmo carregar o celular. Esse não precisa ser timbrado, mas os bilhetes são só com lugar marcado.

ROMA:

Roma esbanja grandiosidade na arquitetura e monumentos. Chamar a cidade de berço da civilização ocidental é um clichê inevitável, por conta da quantidade de atrações milenares que a cidade oferece. O local que é uma das cidades mais visitadas do mundo, possui um patrimônio de igrejas, museus e ruinas interessantíssimas.

A capital italiana ainda abriga sítios arqueológicos incríveis que fazem os visitantes viajarem em um universo que mistura cultura, beleza clássica e arte moderna. A cidade abriga ainda o Vaticano, que atrai religiosos e turistas do mundo inteiro.

Quando ir:

Uma cidade maravilhosa para ser visitada durante todo o ano. A melhor época para conhecê-la vai depender das preferências do viajante em relação ao clima e às expectativas de gastos antes e durante todo o passeio, com preços de passagens e hotel, por exemplo.

Na capital italiana as estações do ano são bem definidas. O período mais movimentado do ponto de vista turístico vai de junho a agosto, é nessa época que os preços dos hotéis ficam mais altos. Não é muito recomendado para quem não gosta de muito calor e cidades muito cheias, afinal, agosto é o mês de férias local. Isso também pode resultar em lojas e restaurantes fechados. Entre abril e junho e setembro a outubro são as épocas consideradas mais tranquilas para conhecer a cidade em um clima ameno.

Do aeroporto ao centro:

Chegando no Aeroporto Leonardo da Vinci, em Fiumicino, há diversas opções para chegar ao centro da cidade.

  • Trem: Se optar por ir de trem, há trens que partem do aeroporto em direção à estação Termini, no centro da cidade. A viagem tem duração de 30 minutos e a passagem custa 14 euros.
  • Ônibus: Se escolher ir de ônibus, há veículos em frente ao terminal 2 (área de chegadas). Siga as placas de dentro do aeroporto que estão escritas Regional Bus Station. As passagens podem ser compradas em estabelecimentos do aeroporto ou até mesmo dentro do veículo e a viagem dura aproximadamente 1 hora.
  • Táxis: Há táxis da cor branca disponíveis nos terminais 1,2,3 e 5 do aeroporto Leonardo da Vinci e os preços variam de acordo com a distância da viagem. A viagem até a estação Tiburtina, por exemplo, sai cerca de 35 euros.
  • Aluguel de carro: Roma é uma cidade que tem um trânsito confuso e alugar um carro pode dão ser a melhor opção, apenas se for utilizar para outros passeios fora da cidade.
  • Sit: São ônibus mais confortáveis que os convencionais e te levam até a estação central Termini. O valor da passagem é de 4 euros, por trecho.

Onde ficar:

A cidade está acostumada a receber uma quantidade enorme de turistas ao longo do ano e por isso, oferece opções de hospedagem que vão desde hotéis luxuosos, passando por estabelecimentos pertencentes a redes mundiais, até apartamentos de aluguel de temporada e hostels.

Para quem deseja economizar, o ideal é se planejar com antecedência, pois Roma é considerada uma das capitais europeias mais caras quando se trata de hospedagem, principalmente para pessoas mais exigentes no quesito conforto e localização.

Como Circular:

Se você está viajando a passeio, mas sem muita pressa, a melhor escolha é andar de ônibus. Lá existem apenas duas linhas de metrô e grande parte dos ônibus de linha sai da Piazza dei Cinquento, em frente à Strazione Termini. Os ônibus funcionam até meia-noite, mas as linhas com a letra N ou com faixas pretas rodam durante a madrugada.

Não se esqueça de comprar a passagem antes de entrar no ônibus e carimbar na máquina laranja. Ele é válido por 75 minutos, se não for carimbado e você for pego, pode pagar multa. Os bilhetes são vendidos nas tabacarias, bancas de jornais e principais terminais de ônibus para um dia, uma semana e um mês.

Se possível, evite dirigir em Roma. Além do trafego confuso, muitas ruas são fechadas para veículos e a multa para quem desrespeita as leis de trânsito é bem salgada.

Onde comer:

Definir a culinária italiana em poucas palavras é com certeza uma comida simples, saborosa e farta. Em qualquer que seja o restaurante escolhido, essas características estão presentes desde a entrada até a sobremesa.

Os restaurantes em Roma costumam ter simplicidade em relação aos ingredientes, pois na cozinha romana não há sofisticação nos produtos, mas tudo é servido bem fresco. Os restaurantes costumam usar com abundância os vegetais, azeites, queijos e diversos ingredientes que formam uma combinação perfeita.

Ir à Itália e não provar as massas frescas, como as tradicionais alla carbonara e as maravilhosas e famosas pizzas italianas, feitas em forno à lenha. As maior parte das pizzarias abrem durante à noite, mas durante o dia é possível encontrar a pizza al taglio, em formato retangular bastante comum na região central da cidade.

A cidade oferece também restaurantes com comida boa e barata, como as rotisserias (a maioria tem mesinhas e servem os clientes como nos restaurantes), bom lugar para comer bem, gastar pouco e sair satisfeito. Essas rotisserias servem desde lanches rápidos, até pizza em pedaço e são boas opções para quem procura por pratos vegetarianos e veganos.

Algumas rotisserias legais para conhecer:

  • Rotisseria Sisini: Famosa pelos seus supplis (croquetes de risoto recheados com mussarela). O serviço é rápido e a qualidade da comida é muito boa.
  • Franchi: Rotisseria com ótimos pratos, mas é abarrotada. O lugar é delicioso, mas há pouco espaço para consumir a refeição. (http://www.franchi.it/)
  • Rosticceri: Um lugar excelente do chef Massimo Riccioli, que traz a mesma qualidade do restaurante La Rosetta, mas com um menu de preços baixos. Lá há opções vegetarianas incríveis, como as almôndegas de berinjela ou de abobrinha. (http://www.rosticceri.com/)

Opções de restaurantes:

  • Open Colonna: Famoso por ter uma estrela de Michelin, o restaurante é muito saboroso e oferece um almoço bem econômico com duas opções: buffet à la carte ou dois pratos com buffet de doces à vontade. Com água e vinho inclusos o almoço sai entre 20 e 22 euros. 
  • Open Baladin: Uma cervejaria artesanal italiana que reúne as famosas cervejas, com hambúrgueres e batatas fritas chips crocantes acompanhadas de molhos diferentes como alho, páprica e liquorice. O combo de hambúrguer, cerveja e batata sai por 19 euros. 
  • Margutta: Um restaurante vegetariano que tem um almoço executivo delicioso. Oferece menus a partir de 13 euros (incluindo água e café) e 16 euros (incluindo um copo de vinho). Tem um buffet vegetariano bem variado e criativo, com lasanhas de verduras e almôndegas de berinjela.

O que fazer:

  • Conhecer o Coliseu:

Um dos monumentos mais famosos do mundo e atrai cerca de 4 milhões de turistas todos os anos. A visita às ruínas do Coliseu é um passeio obrigatório a todos os turistas que visitam Roma, não somente por sua grandeza, mas pela história que ele carrega.

  • Conhecer o Fórum Romano e o Fórum Paladino

No mesmo dia que for ao Coliseu, vá também ao Fórum Romano e no Paladino. O ingresso do Coliseu dá direito a visitar esses grandes pontos turísticos e ficam muito pertinho. O Monte Paladino é uma das sete colinas de Roma, repleta de história, inclusive a da fundação da cidade. O Fórum Romano é conhecido como o berço do Direito, um lugar incrível para conhecer na cidade.

  • Obras de arte dentro das igrejas:

O que é possível visitar em museus espalhados por diversas cidades do mundo está disponível em Roma gratuitamente dentro das igrejas. Há roteiros para quem curte observar pinturas e esculturas. Um dos roteiros apresenta três igrejas romanas que hospedam seis quadros de Caravaggio (Basílica de Santa Maria del Popolo, Igreja de San Luigi del Francesi e de Santo Agostinho). As esculturas de Michelangelo estão na Basílica de Santa Maria Sopra Minerva, Basílica de San Pietroin Vincoli e Basílica de São Pedro.

  • Vistas panorâmicas da cidade:

Roma pode ser facilmente admirada do alto. Há inúmeras possíbilidades, das famosas às inusitadas, das pagas às gratuitas. Lá de cima é possivel enxergar cúpulas barrocas, palácios renascentistas, ruínas antigas e diferentes formas de arquitetura. Lugares como o terraço panorâmico do Vittoriano, terraço panorâmico do Coliseu e Gianicolo.

  • Conhecer a Piazza de Popolo

Situada na entrada principal ao norte da cidade, a Praça do Povo chama a atenção pelo tamanho e pela quantidade de elementos presentes no local. Além da igreja Santa Maria del Popolo, que abriga obras-primas de artistas famosos.

  • Visitar a Porta Portese

O Porta Portese é um mercado de pulgas de Roma situado no bairro de Trastevere. Lá é possível encontrar de tudo um pouco como antiguidades, livros, roupas, sapatos, acessórios, objetos de decoração e suvenires com preços bem legais. O mercado funciona aos domingos das 6h30 às 14h.

  • Visitar a Fontana di Trevi:

É um dos lugares com maior concentracao de visitantes por metro quadrado na cidade. Turistas se aglomeram para fazer o ritual tradicional de jogar uma moeda na água, que conforme a lenda, faz com que o visitante retorne à cidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s